Compartilhar o post

Quem ama queijo sabe que essa iguaria é muito antiga, e que sua vinda para o Brasil passou por diversas etapas… Quer entender melhor? Siga com a leitura e acompanha uma breve história do queijo.

História de sabor

A arte da fabricação de queijos surgiu há uns 12 mil anos, antes do nascimento de Cristo. O queijo primitivo era feito de leite coagulado, sem soro e sal!

A partir da Idade Média, a fabricação de queijos se tornou mais rigorosa, em termos de qualidade. Foram os monges católicos que começaram a variar na sua receita, a fim de depurar o paladar, adicionando esporos de fungos e leite.

Nos séculos XIV e XV, teve início a competição entre os produtores de queijo. Quem detinha mais segredos, vendia mais. Essa disputa sadia dura até hoje.

A partir do século XIX, com a imigração de europeus às Américas, os colonizadores portugueses trouxeram o queijo para o Brasil, e por aqui esse alimento foi se tornando único. A produção, além de artesanal, passou a ser industrial. Deu-se, então, uma revolução na fabricação de queijos: a pasteurização.

O principal produtor de queijo no Brasil é o estado de Minas Gerais, acompanhe um pouco sobre os tipos de queijo produzidos por aqui:

TIPOS DE QUEIJOS MINEIROS

QUEIJO MINAS FRESCAL

Também conhecido como queijo minas, é o mais famoso no país. É um queijo suave e possui uma massa crua. Recomenda-se seu consumo em até 10 dias. Grande parte desse típico queijo mineiro é produzido na Zona da Mata e no sul do estado.

QUEIJO MINAS PADRÃO

A diferença com o frescal, está no processo de maturação. Possui uma casca amarelada e firme, com sabor um pouco mais ácido e marcante. Seu prazo de validade é maior: cerca de 90 dias, quando refrigerado.

QUEIJO MINAS MEIA CURA

Está entre as minas frescal e o padrão. Possui um tempo de cura maior que o minas padrão. Apresenta uma textura amarelada e macia, com um teor de gordura mais considerável que os outros dois tipos. Muitas empresas podem considerar a meia cura como minas padrão, mas ele possui um sabor diferenciado que, muitas vezes, nos lembra o queijo prato.

QUEIJO DO SERRO

Foi trazido de Portugal pelos moradores da região do Dão. Seu tipo mais famoso é o pingo, nome dado porque é retirado todos os dias uma pequena parte da produção (pingo) para coalhar o próximo leite a ser retirado. Supõe-se que esse pingo que temos hoje, é resultado dos pingos que os portugueses tiraram quando vieram para Minas.

QUEIJO COALHO

Produzido, especialmente, para ser feito na churrasqueira ou assado na grelha. Famoso nas praias do país, sendo vendido em espetinhos, assados na brasa. Feito por meio da adição de coalho ou outras enzimas coagulantes ao leite. Uma de suas características principais é a ausência de fermento na fórmula. Por isso, custa derreter, ficando no ponto para o churrasquinho.

Com esse tanto de variedade, uma coisa é certa: O queijo mineiro possui duas características imbatíveis: variedade e sabor.

Se for Taquari então, é qualidade que dá gosto!

Gostou de saber sobre UMA BREVE HISTÓRIA DO QUEIJO?

Siga-nos para mais informações a cercar do mundo dos laticínios.

Novidades

Brigadeiro de paçoca

O mês de junho já se foi, mas as delícias que lembram a festa junina ainda estão por aqui… Esse docinho é simplesmente delicioso, aliás ainda

Rolar para cima